Artigos Recentes

Bibliografia sobre Estudos do Consumidor e Sociologia do Consumo

ADORNO, Theodor. W., MARCUSE, Herbert e HORKHEIMER, Max (1970), Cultura e Sociedade, Lisboa, Presença

 

ADORNO, Theodor. W. e HORKHEIMER, Max (1974), La dialectique de la raison: fragments philosophiques, Paris, Gallimard

 

ADORNO, Theodor W. e outros (1982), The authoritarian personality, New York, W. W. Norton

 

ADORNO, Theodor W. (1993), The culture industry: selected essays on mass culture, London, Routledge

 

ACKERMAN, Frank (1997), “Consumed in theory: alternative perspectives on the economics of consumption”, Journal of Economic Issues, vol. 31, Iss. 3, September, pp. 651-665

 

ALMEIDA, J. Ferreira de (1990), “Valores e representações sociais”, Portugal, os próximos 20 anos, volume II, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian

 

ALMEIDA, J. Ferreira de, COSTA, António Firmino da e MACHADO, Fernando Luís (1994), “Recomposição sócio-profissional e novos protagonismos”, in REIS, ANTÓNIO (coord.), Portugal – 20 anos de democracia, Lisboa, Círculo de Leitores

 

ANDRADE, Madalena (1989), “O Trabalho, o Emprego, a Profissão”, Juventude Portuguesa -Situações, Problemas e Aspirações, vol.IV, Lisboa, Instituto da Juventude/ Instituto de Ciências Sociais

 

ARCHER, Melanie e BLAU, Judith (1993), “Class formation in the nineteenth century America: the case of middle class“, Annual Review of Sociology, vol. 19, Palo Alto

 

ARNETT, Jeffrey (1997), “Young People´s Conceptions of the Transition to Adulthood”, Youth and Society, vol. 29, nº 1, Setembro, pp.3-23

 

BANCAL, Jean (1974), L´économie des sociologues, PUF, Paris

 

BARATA, Óscar Soares (1974), Introdução às Ciências Sociais, volume I, Lisboa, Bertrand

 

BARATA, Óscar Soares (1975), Introdução às Ciências Sociais, volume II, Lisboa, Bertrand

 

BARRETO, António (org.) (1996) A Situação Social em Portugal, 1960 – 1995, Lisboa, Instituto de Ciências Sociais

 

BARRETO, António (org.) (2000) A Situação Social em Portugal, 1960 – 1999, Volume II, Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais

 

BARTHES, Roland (1985), Elementos de Semiologia, São Paulo, Cultrix

 

BAUDRILLARD, Jean (1968), A sociedade de consumo, Lisboa, Edições 70

 

BAUMAN, Zygmunt (1992), Intimations of Postmodernity, London, Routledge

 

BAUMAN, Zygmunt (1976), “Uma primeira nota sobre a cultura de massas: a infraestrutura”, O Homem e a Cultura, Lisboa, Iniciativas Editoriais

 

BECKER, Gary, e outros (2003), The Quantity and Quality of Life and the  Evolution of World Inequality, National Bureau of Economic Research (NBER Working Paper No. 9765)

 

BECKER, Gary, e outros (2005), “The equilibrium distribution of income and the market for status”, Journal of Political Economy, Chicago, Apr.2005, vol. 113, Iss.2, pp. 282-311

 

BECKERT, Jens (1996), “What is Sociological about Economic Sociology? Uncertainty and the Embeddedness of Economic Action”, Theory and Society, vol. 25, nº 6, pp. 803-840

 

BELK, Russel (1995), “Studies in the new consumer behavior”, Consumer Culture and Postmodernism, ed. Daniel Miller, London, Sage

 

BERNARDO, Amélia Martins (1993), Identidades, representações, valores e atitudes da juventude universitária portuguesa, Lisboa, ISCSP, ed. Autora

 

BLAU, P.M. (1964), Exchange and Power in Social Life, New York, Wiley

 

BLAU, P.M. e DUNCAN, O.D. (1967), “Measuring the status of occupations”, em GRUSKY, ed. (1994), Social stratification: class, race and gender in sociological perspective, Westview Press

 

BLUMER, Herbert (1962), “Society as symbolic interaction”, em ROSE (ed.), Human Behaviour and Social Processes, Routledge, London

 

BOCOCK, Robert (1993), Consumption, London, Routledge

 

BOGENHOLD, Dieter (2001), “Social Inequality and the Sociology of Life Style: Material and Cultural Aspects of Social Stratification (Focus on Economic Sociology)”, The American Journal of Economics and Sociology, Outubro

 

BÖRÖCCZ, József e RONA-TAS, Ákos (1995), “Small leap forward: emergence of new economic elites”, Theory and Society, vol. 24, nº 5, pp. 751-781

 

BOTTOMORE, Tom (1992), Classes in Modern Society, London, Routledge

 

BOUDON, Raymond (1973), L´Inegalité des Chances, Paris, Armand Colin

 

BOURDIEU e PASSERON (1964), Les Héritiers, Editions de Minuit, Paris

 

BOURDIEU e PASSERON (1970), A Reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino, Edições Vega, Lisboa

 

BOURDIEU, Pierre (1975), A economia das trocas simbólicas, S. Paulo, Edições Perspectiva

 

BOURDIEU, Pierre (1979), La Distinction – critique sociale du jugement, Paris, Editions de Minuit

 

BOURDIEU, Pierre (1987), Poder Simbólico, Lisboa, Difel

 

BRAVERMAN, H. (1974), Labour and monopoly capitalism, Monthly Review Press, New York

 

BREWER, John e PORTER, Roy (1993), Consumption and the world of goods, London, Routledge

 

BRISTOR, J.M. e FISCHER, E., (1993) “Feminist thought: implications for consumer research”, Journal of Consumer Research, nº 4, Março, pp. 518-536

 

BUCHMANN, Claudia e DALTON, Ben (2002), “Interpersonal influences and educational aspirations in 12 countries: the importance of institutional context”, Sociology of Education, vol. 75, Issue 2, pp. 99-122

 

BURRIS, Val (1986), “The Discovery of the New Middle Class”, Theory and Society, vol. 15, Nº 3, May 1986, pp. 317-349

 

CABRAL, Manuel Villaverde (1998), “Mobilidade social e atitudes de classe em Portugal”, Análise Social, volume XXXIII, nºs 146-147, Lisboa

 

CABRAL, Manuel Villaverde e PAIS, José Machado (coord.) (1998), Jovens Portugueses de Hoje, Oeiras, Celta Editora

 

CALHOUN, Craig, ROJEK, Chris e TURNER, Bryan (2006), The SAGE Handbook of Sociology, London, Sage

 

CALLERO, Peter L. (2003), “The Sociology of the Self”, Annual Review of Sociology, Palo Alto, volume 29, pp. 115-134

 

CAMPBELL, Colin (1995), “The Sociology of Consumption”, Acknowledging Consumption, ed. David Miller, London, Routledge

 

CASTLE, Emery (2002), “Social Capital: an interdisciplinary concept”, Rural Sociology, College Station, volume 67, Issue 3, pp. 331-349

 

CHANEY, David (1996), Lifestyles, London, Routledge

 

CHOMBART DE LAUWE, P-H. (1969), Pour une sociologie des aspirations, Editions Denöel

 

CLARKE, David (1997), Consumption and the City, Modern and Postmodern, Oxford, Joint Editors and Blackwell Publishers Ltd

 

COLEMAN, James S. (1961), The Adolescent Society, Free Press of Glencoe, New York

 

COLEMAN, Richard P. (1961), “The significance of social stratification in selling”, ed. Martin Bell, Marketing: a Mature Discipline, American Marketing Association, Chicago

 

COLLINS, Randall (2000), “Situational Stratification: a micro-macro theory of inequality”, Sociological Theory, vol. 18, Nº 1, Mar 2000, pp. 17-43

 

CONDE, Idalina (1989), “A identidade social e nacional dos jovens”,  Juventude Portuguesa – Situações, Problemas e  Aspirações, vol.VIII, Lisboa, Instituto da Juventude/ Instituto de Ciências Sociais

 

CONDE, Idalina, PAIS, J. Machado e SCHMIDT, Luísa (1990), “Estudos sobre a juventude”, Análise Social, vol. XXV (108-109)

 

COOLEY, Charles H. (1961), “The Social Self”, Theories of Society – foundations of modern sociological theory, ed. PARSONS, Talcott, e outros, New York, The Free Press

 

CORRIGAN, Peter (1997), The Sociology of Consumption, London, Sage

 

COSTA, António Firmino e outros (2000), “Classes Sociais na Europa”, Sociologia – problemas e práticas, nº 34, pp. 9-43

 

CROMPTON, Rosemary (1996), “The fragmentation of class analysis”, The British Journal of Sociology, vol. 47, nº 1, pp. 56-67

 

CRUZ, Manuel Braga da, e outros (1984), “A Condição Social da Juventude Portuguesa”, Análise Social, Lisboa, vol. XX (81-82), p. 289

 

CUNHA, Maria João (2002), Imagem corporal: uma abordagem sociológica à importância do corpo e da magreza para as adolescentes, ed. autora, ISCSP, Lisboa

 

CZELLAR, Sandor (2002), An exploratory inquiry on the antecedents of prestige judgments, ed. autor, Universidade de Genebra

 

DAVIS, Kinglsey e MOORE, Wilbert E. (1945), “Some Principles of Stratification”, em SCOTT, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

DANN, Graham (2000), “Theoretical advances in the sociological treatment of tourism”, in The International Handbook of Sociology, org. de Stella R. Quah e Arnaud Sales, London, Sage

 

DENZIN, Norman K. e LINCOLN, Yvonna S. (2000), Handbook of Qualitative Research, Thousand Oaks, Sage

 

DOCKNER, Engelbert e FEICHTINGER, Gustav (1993), “Cyclical consumption patterns and rational addiction”, The American Economic Review, Março, volume 83, nº 1, pp. 256-263

 

DOUGLAS, Mary e ISHERWOOD, Baron (1979), The World of Goods. Towards an antrophology of consumption, London, Allen Lane

 

DUBOIS, Bernard (1993), Compreender o consumidor, Lisboa, Publicações D. Quixote

 

DUMAIS, Susan (2002), “Cultural capital, gender and shool success: the role of habitus”, Sociology of Education, vol. 75, nº 1, pp. 44-68

 

DURLAUF, Steven (2001), “A framework fot the study of individual behavior and social interactions”, Sociological Methodoly, Volume 31, pp. 47-87

 

DUKE, Vic e EDGELL, Stephen (1987), “The operationalisation of class in british sociology: theorethical and empirical considerations”, The British Journal of Sociology, vol. 38, nº 4, Dec. 1987, pp. 445-463

 

EIJCK, Koen van (2001), “Social differentiation in musical taste patterns”, Social Forces, vol. 79, nº 3, pp. 1163-1185

 

ERIKSON, Robert e GOLDTHORPE, John (1993), The constant flux: a study of class mobility in industrial societies, New York, Clarendon Press

 

ERIKSON, Robert e GOLDTHORPE, John (1985), “Are American rates of social mobility exceptionally high? New evidence on an old issue”, em SCOTT, John, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

ERIKSON, Robert e GOLDTHORPE, John (1987), “Commonality and variation in social fluidity in industrial nations”, em SCOTT, John, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

ESTANQUE, Elísio (1999), “Análise de classes e mobilidade social em Portugal: um breve balanço crítico”, Revista Crítica de Ciências Sociais, nº 52/53, Novembro de 1998/Fevereiro de 1999

 

ESTANQUE, Elísio e MENDES, José Manuel (1997), Classes e desigualdades sociais em Portugal, Edições Afrontamento – Centro de Estudos Sociais, Porto

 

ESKILSON, Arlene e WILEY, Mary Glenn (1999), “Solving for the X: Aspirations and Expectations of College Students”, Journal of Youth and Adolescence, vol.28, pp. 51-70

 

FEATHERMAN, David, JONES, Lancaster e HAUSER, Robert (1975), “Assumptions of social mobility research in the U.S.: the case of occupational status”, em SCOTT, John, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

FEATHERSTONE, Mike (1991), Consumer Culture and Postmodernism, London, Sage

 

FERRAROTTI, Franco (1986), Sociologia, Lisboa, Teorema

 

FERREIRA, Herlânder Gomes (1994), Opções diferenciais de consumo: determinantes e significados, Lisboa, FCSH – UNL, ed. autor

 

FERREIRA, José Medeiros (1992), Portugal em transe (1974-1985), História de Portugal, vol. VIII, dir. José Mattoso, Lisboa, Círculo de Leitores

 

FERREIRA, Mª Rosário (1997), Jovens de Sucesso: elementos da estrutura social que predispõem o indivíduo para o sucesso, Lisboa, ISCSP, ed. Autora

 

FERREIRA, Paulo Antunes (1993), “Valores dos jovens portugueses nos anos 80”, Cadernos do ICS, 5ª série, nº 3

 

FERREIRA, Pedro Moura (1989), “Os jovens e o futuro; expectativas e aspirações”, Juventude Portuguesa -Situações, Problemas e Aspirações, vol. IV, Lisboa, Instituto da Juventude/ Instituto de Ciências Sociais

 

FERRÃO, João (1982), “Evolução e estrutura regional das classes sociais em Portugal (1960-1970)”, Finisterra, vol. XVII, nº 34

 

FERRÃO, João (1985), “Recomposição social e estruturas regionais de classe (1970-1981)”, Análise Social, vol. XXI, nº 87/88/89

 

FIGUEIREDO, Eurico (1988), “Conflito de gerações – conflito de valores“, in  Portugal, os próximos 20 anos, volume II, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian

 

FILIPE, Ana Sofia de Almeida Serras Mantovani (2001), A influência da televisão na socialização dos jovens: a realidade de dois estabelecimentos do ensino secundário, ed. autora, ISCSP, Lisboa

 

FINE, Ben (1995), “From Political Economy to Consumption”, Acknowledging Consumption, ed. David Miller, London, Routledge

 

FIRAT, A. Fuat e VENKATESH, Alladi (1995), “Liberatory Postmodernism and the reenchantment of consumption”, Journal of Consumer Research, vol. 22, pp. 239-251

 

FORNAS, Johan e BOLIN, Goran (1995), Youth Culture in Late Modernity, London, Sage

 

FORTUNA, Carlos (2002), Cultura, corpo e comércio: tendências socioculturais relacionadas com a estética e o bem-estar, Observatório do Comércio, Lisboa

 

FRIEDMAN, Debra e HECHTER, Michael (1988), “The Contribution of Rational Choice Theory to Macrosociological Research”, Sociological Theory, Vol. 6, No. 2, pp. 201-218

 

FURLOUGH, Ellen (1998), “Making mass vacations: tourism and consumer culture in France, 1930s to 1970s”, Comparative Studies in Society and History, vol. 40, nº 2, pp. 247-286

 

FURNHAM, Adrian e ARGYLE, Michael (1998), A Psicologia do Dinheiro, Lisboa, Sinais de Fogo

 

FURNHAM, Adrian e OKAMURA, Ryo (1999), “Your Money or your life: behavioral and emotional predictors of money pathology”, Human Relations, vol 52, nº 9, pp. 1157-1177

 

GABINETE DE APOIO DE ESTUDOS E PLANEAMENTO DA SECRETARIA DE ESTADO DA JUVENTUDE (1997), Jovens Portugueses: alguns dados estatísticos, Lisboa

 

GAGLIANI, Giorgio (1981), “How many working classes?”, The American Journal of Sociology, vol. 87, nº 2, pp. 259-283

 

GARTMAN, David (1991), Culture as Class Symbolization or Mass Reification ? A critique of Bourdieu´s Distinction”, The American Journal of Sociology, vol. 97, nº 2, pp. 421-447

 

GIBBIAN, Peter (ed.) (1997), Mass culture and everyday life, New York, Routledge

 

GIDDENS, Anthony (1975), A estrutura de classes das sociedades avançadas, Rio de Janeiro, Zahar (1ª edição de 1973)

 

GIDDENS, Anthony (1991), Modernity and self identity, Cambridge, Polity Press

 

GIDDENS, Anthony (1992), As consequências da modernidade, Oeiras, Celta

 

GOFFMAN, Irvwin (1957), “Status consistency and preference for change in power distribution”, em SCOTT, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

GOLDMAN, Debra (1999), “Paradox of pleasure”, American Demographics, vol. 21, Iss. 5, pp. 50-54

 

GOLDTHORPE, John H. e LOCKWOOD, David (1963), “Affluence and the british class structure”, em SCOTT, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

GOLDTHORPE, John H. (1972) e outros, The affluent worker: industrial attitudes and behavior, Cambridge, Cambridge University Press

 

GOLDTHORPE, John H. (1972), “Class, status and party in modern Britain: some recent interpretations, marxist and marxisant”, em SCOTT, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

GOLDTHORPE, John H. (1978) e HOPE, Keith, The social grading of occupations: a new approach and scale, Oxford, Clarendon Press

 

GOLDTHORPE, John H. (1980), Social Mobility and Class Structure in Modern Britain, Oxford, Oxford University Press

 

GOLDTHORPE, John H. (1985), “On economic development and social mobility”, The British Journal of Sociology, vol. 36, nº 4, pp. 549-573

 

GOLDTHORPE, John H. (1996), “Class analysis and the reorientation of class theory: the case of persisting differentials in educational attainment”, The British Journal of Sociology, vol. 47, nº 3, pp. 481-505

 

GOLDTHORPE, John H. (1998), “Rational Action Theory for Sociology”, The British Journal of Sociology, vol. 49, nº 2, pp. 167-192

 

GRAAF, Nan Dirk de (1991), “Distinction by consumption in Czechoslovaquia, Hungary and the Netherlands”, European Sociological Review, vol. 7, nº 3, pp. 267-290

 

GRÁCIO, Sérgio (1997), “A mobilidade social revisitada”, Sociologia – problemas e práticas, nº 24, pp. 45-69

 

GRANOVETTER, Mark (1985), “Economic Action and Social Structure: the Problem of Embeddedness”, The American Journal of Sociology, vol. 91, nº 3, pp. 481-510

 

GREENE, A .L. (1990), “Great expectations: constructions of the life course during adolescence”, Journal of Youth and Adolescence, vol. 19, nº 4, pp. 289-306

 

HARALAMBOS, Michael e HOLBORN, Martin (2000), Sociology – themes and perspectives, London, Harper Collins

 

HARSANYI, John C. (1995), “Games with Incomplete Information”, The American Economic Review, vol. 85, nº 3, pp. 291-303

 

HAUSER, Robert H. e GRUSKY, David B. (1988), “Cross-national variation in occupational distributions, relative mobility chances and intergenerational shifts in occupational distributions”, American Sociological Review, vol. 53, nº 5, pp. 723-741

 

HEBDIGE, Dick (1988), Hiding in the light : on images and things, London, Routledge

 

HENDRY, Leo, e outros (1993), Young People´s Leisure and Lifestyle, London, Routledge

 

HENWOOD, Doug (1996), “Post what?”, Monthly Review, vol. 48, Issue 4, pp. 1-11

 

HIGGS, Maria do Rosário Raposo Correia da Gama (2004), A emoção e a razão no consumo: a compra racional, impulsiva e excessiva, ed. autora, ISCTE, Lisboa

 

HITLIN, Steven (2003), “Values as the core of personal identity: drawing links between two theories of the self”, Social Psychology Quarterly, vol. 66, Issue 2, pp. 118-137

 

HOMANS, George C. (1958), “Social Behavior as Exchange”, The American Journal of Sociology, vol. 63, nº 6, pp. 597-606

 

HOMANS, George C. (1964), “Bringing Men Back In”, American Sociological Review, vol. 29, nº 6, pp. 809-818

 

HOPE, Keith (1975), “Crewe´s test of the embourgeoisment thesis”, British Journal of Political Science, vol. 5, nº 2, pp. 256-258

 

HOWARD, Judith (2000), “Social psychology of identities”, Annual Review of Sociology, vol. 26, pp. 367-393

 

INGHAM, Geoffrey (2006), “The Social Institution of Money”, editado por editado por CALHOUN, ROJEK e TURNER (2006), The SAGE Handbook of Sociology, London, Sage

 

INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS/ INSTITUTO PORTUGUÊS DA JUVENTUDE (1989), Juventude Portuguesa – Situações, Problemas e Aspirações, 7 volumes

 

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA (2002), Censos 2001 – Resultados Definitivos, Lisboa

 

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA (2008), Inquéritos aos Orçamentos Familiares, Lisboa

 

JAMESON, Frederic (1998), The cultural turn: selected writing on the postmodern, New York, Verso

 

JENKINS, Richard (1996), Social Identity, London, Routledge

 

JUNIU, Susana (2000), “Downshifting: regaining the essence of leisure”, Journal of Leisure Research, vol. 32, Issue 1, pp. 69-73

 

KATZ-GERRO, Tally e SHAVIT, Yossi (1998), “The stratification of leisure and taste: classes and lifestyle in Israel”, European Sociological Review, vol. 14, nº 4, pp. 369-386

 

KATZ-GERRO, Tally (2002), “Highbrow cultural consumption and class distinction in Italy, Israel, West Germany, Sweeden and the United States”, Social Forces, Chapel Hill, vol. 81, Issue 1, pp. 207- 230

 

KALLEKIN-FISHMAN, Devorah (2000), “Unravelling alienation: from an omen of doom to a celebration of diversity”, in The International Handbook of Sociology, org. de Stella R. Quah e Arnaud Sales, London, Sage

 

KELLEY, Jonathan e EVANS, M.D.R. (1993), “The legitimation of inequality: occupational earnings in nine nations”, The American Journal of Sociology, vol. 99, nº 1, pp. 75-125

 

KENISTON, K. (1968) Young Radicals, New York, Harcourt

 

KEYNES, John Maynard (1961), “The essential properties of interest and money”, Theories of Society – foundations of modern sociological theory, editado por PARSONS, Talcott, e outros, New York, The Free Press

 

KEYNES, John Maynard (1973), The General Theory of Employement, Interest and Money, Cambridge, MacMillan Cambridge University Press

 

KLUEGEL, James e SMITH, Eliot (1981), “Beliefs about stratification”, Annual Review of Sociology, vol. 7, pp. 29-56

 

KNOEDLER, Janet (1999), “The overspent American: upscaling, downshifting and the new consumer”, Journal of Economic Issues, vol. 33, Issue 3, pp. 747-750

 

KOTLER, Philip (1994), Marketing Management, Prentice-Hall

 

KYRK, Hazel (1930), “Education and Rational Consumption”, Journal of Educational Sociology, vol. 4, nº 1, pp. 14-19

 

LAREAU, Anette e WEININGER, Elliot (2003), “Cultural capital in educational research: a critical assessment”, Theory and Society, vol. 32, nºs 5/6, pp. 567-606

 

LEIGH, John (1971), Young People and Leisure, London, Routledge and Kegan Paul

 

LENSKI, Gerhard (1954), “Status Crystallization: a non-vertical dimension of social status”, em SCOTT, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

LICHTENBERG, Judith (1996), “Consuming because others consume”, Social Theory and Practice, vol. 22, Iss. 3, pp. 273-298

 

LIE, John (1997), “Sociology of Markets”, Annual Review of Sociology, vol. 23, pp. 341-360

 

LINTON, Ralph (1961), “Status and role”, Theories of Society – foundations of modern sociological theory, editado por PARSONS, Talcott, e outros, New York, The Free Press

 

LIPOVETSKY, Gilles (1989), O Império do Efémero, Lisboa, D. Quixote

 

LIPOVETSKY, Gilles (1992), A era do vazio, Lisboa, Relógio d´ Água

 

LIPSET, Seymour e BENDIX, Reinhard (1960), Social mobility in industrial society, Berkeley, University of California Press

 

LIPSET, Seymour e BENDIX, Reinhard (1951), “Social status and social structure: a re-examination of data and interpretations” em SCOTT, John, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

LIPSET, Seymour e ZETTERBERG, Hans (1951), “A theory of mobility”, em SCOTT, John, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

LIVINGSTONE, Sonia e LUNT, Peter (1991), “Psychological, social and economic determinants of saving: comparing recurrent and total savings”, Journal of Economic Psychology, nº30, pp 309-323

 

LIVINGSTONE, Sonia e LUNT, Peter (1993), “Savers and borrowers: strategies of personal financial management”, Human Relations nº46 (8), pp. 963-985

 

LOCKWOOD, David (1960), “The new working class”, em SCOTT, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

LOCKWOOD, David (1966), “Sources of variation in working class images of society”, em SCOTT, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

LODZIAK, Conrad (2000), “On explaining consumption”, Capital & Class, nº 72, pp. 111-133

 

LOSYK, Bob (1997), “Generation X – What they think & what they plan to do”, The Futurist, pp. 39-44

 

LUNN, Eugene (1990), “Beyond mass culture”, Theory and Society, vol. 19, nº 1, pp. 63-86

 

LYOTARD, Jean-François (1989), A condição pós-moderna, Lisboa, Gradiva

 

MACHADO, Fernado Luís, COSTA, António Firmino da e ALMEIDA, João Ferreira de (1989), “Identidades e orientações dos estudantes – classes, convergências, especificidades”, Revista Crítica de Ciências Sociais, nº 27/28, Coimbra, CES

 

MACLEOD, Jay (1987), Ain´t no Making it, Boulder, Co., Westview Press

 

MAGALHÃES, Dulce Maria (1994), Classes Sociais e Trajectórias Intergeracionais, Porto, Faculdade de Letras da Universidade do Porto

 

MARCUSE, Herbert (1969), L’homme unidimensionnel: essai sur l’ideologie de la société industrielle avancée, Paris, Éditions de Minuit

 

MARIANO, Anabela (1996), Juventude/Escola/Lazer: que realidade?, Lisboa, ISCSP, ed. Autora

 

MARSHALL, Gordon e ROSE, David (1958), “Proletarianization in the british class structure?”, The British Journal of Sociology, vol. 39, nº4, pp. 498-518

 

MARTINEAU, Pierre (1958), “Social Classes and Spending Behavior”, Journal of Marketing, vol. 23, nº2, pp.121-130

 

MARTINS, Hermínio (2006), Classe, Status e Poder, ICS, Lisboa

 

MARKTEST (2006), O Consumidor 2006 – perfil do consumidor português, Lisboa

 

MARX, Karl e ENGELS, Friedrich (1967), “The Communist Manifesto”, em SCOTT, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

MARX, Karl (1968), O Capital – crítica da economia política, 3 volumes, Lisboa, Editora da Civilização Brasileira (1ª edição, no original, de 1859)

 

MAYCROFT, Neil (2004), “Cultural consumption and the myth of life-style”, Capital & Class, London, Issue 84, pp. 61-76

 

MEAD, George Herbert (1961), “Taking the role of the other”, Theories of Society – foundations of modern sociological theory, editado por PARSONS, Talcott, e outros, New York, The Free Press

 

MEAD, George Herbert (1961), “Internalized others and the self”, Theories of Society – foundations of modern sociological theory, editado por PARSONS, Talcott, e outros, New York, The Free Press

 

MEAD, George Herbert (1982), The individual and the social self, Chicago, The University of Chicago Press (1ª edição de 1964)

 

MILLER, Daniel (Ed.) (1995), Acknowledging Consumption, London, Routledge

 

MILLS, Wright (1996), “The Sociology of Stratification”, em SCOTT, John, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

MILNER, Andrew (1999), Class, London, Sage

 

MÓNICA, Maria Filomena (1996), “A evolução dos costumes em Portugal (1960-1995)”, A  Situação Social em Portugal, 1960 – 1995, org. de António Barreto, Lisboa, Instituto de Ciências Sociais

 

MONTEIRO, José Sousa (1970), “Distribuição de classes sociais e níveis de rendimentos familiares em Portugal continental”, Informação Social, nº 18, Abril/Junho, pp.51-68

 

MORGAN, David (1993), Successful focus groups: advancing the state of the art, Newbury Park, Sage

 

MULLEN, Ann, GOYETTE, Kimberly e SOARES, Joseph (2003), “Who goes to graduate school? Social and academic correlates at educational continuation after college”, Sociology of Education, volume 76, issue 2, pp. 143-169

 

MUNGHAM e PEARSON (1976), Working Class Youth Culture, London, Routledge e Kegan Paul

 

MUTH, John (1961), “Rational Expectations and the Theory of Price Movements”, Econometrica, vol. 29, No. 3. (Jul., 1961), pp. 315-335

 

MYLES, John e TUREGUN, Adnan (1994), “Comparative studies in class structure”, Annual Review of Sociology, vol. 20, pp. 103-124

 

NAVA, Mica (1992), Changing Cultures – feminism, youth and consumerism, London, Sage

 

NETO, Ana Cristina Pereira (1997), As Antropológicas do Discurso Consumista: o perfil do consumidor do Barreiro, Lisboa, ISCSP, ed. autora

 

NETO, João Pereira (1984), A Classe Média Portuguesa num Contexto de Mudança, Lisboa, ISCSP

 

NETO, Maria João Pereira (1987), A problemática da juventude e a socialização da educação, Lisboa, ISCSP, ed. Autora

 

NUNES, A. Sedas e MIRANDA, David (1969), “A composição social da população portuguesa: alguns aspectos e implicações”, Análise Social, vol. VII, Nº 27/28

 

NUNES, Pedro Manuel Simões Belchior (1997), A música no universo juvenil: práticas e representações, ed. autor, FCSH, Lisboa

 

OLDMEADOW, Julian, PLATOW, Michael L., FODDY, Margaret e ANDERSON, Donna (2003), “Self-categorization, status, and social influence”, Social Psychology Quarterly, vol. 66, Issue 2, pp. 138-152

 

OROPESA, R. S. (1995), “Consumer possessions, consumer passions, and subjective well-being”, Sociological Forum, vol. 10, nº 2, pp. 215-244

 

PAIS, José Machado (1985) “Os Jovens: em busca de identidade”, Educação e Trabalho, Lisboa, nº34, pp. 7-11

 

PAIS, José Machado (1989), “O uso do tempo e espaços de lazer”, Juventude Portuguesa -Situações, Problemas e Aspirações, vol.V, Lisboa, Instituto da Juventude/ Instituto de Ciências Sociais

 

PAIS, José Machado (1990) “Lazeres e sociabilidades juvenis – um ensaio de análise etnográfica”, Análise Social, volume XXV, nºs 105-106, Lisboa

 

PAIS, José Machado (1991), Formas sociais de transição para a vida adulta: os jovens através dos seus quotidianos, Lisboa, ISCTE

 

PAIS, José Machado (1993), Culturas Juvenis, Lisboa, Imprensa Nacional Casa da Moeda

 

PAIS, José Machado (coord.) (1998), Gerações e Valores na Sociedade Portuguesa Contemporânea, Lisboa, Secretaria de Estado da Juventude/ Instituto de Ciências Sociais

 

PAIS, José Machado (2001), Ganchos, Tachos e Biscates, Lisboa, Ambar

 

PAKULSKI, Jan e WATERS, Malcom (1996), The death of class, London, Sage

 

PAKULSKI, Jan e WATERS, Malcom (1996), “The reshaping and dissolution of social class in advanced society”, Theory and Society, vol. 25, nº 5, Outubro, pp. 667-691

 

PALHARES, José Augusto (1996), A Juventude, a participação e a escola, Universidade do Minho, ed. Autor

 

PARSONS, Talcott, (1940), “An analytical approach to the theory of social stratification”, em SCOTT, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

PARSONS, Talcott (1964), Essays in Sociological Theory, McMillan Company

 

PARSONS, Talcott (1969), Sociedades: perspectivas evolutivas e comparativas, S. Paulo, Livraria Pioneira

 

PARSONS, Talcott, e outros (ed.), (1961), Theories of Society – foundations of modern sociological theory, New York, The Free Press

 

PARSONS, Talcott, (1970), “Equality and Inequality in Modern Society, or Social Stratification Revisited”, em SCOTT, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

PARSONS, Talcott, (1974), O sistema das sociedades modernas, S. Paulo, Livraria Pioneira

 

PIAGET, Jean (1961), “On intellectual growth, editado por PARSONS, Talcott, e outros (ed.), (1961), Theories of Society – foundations of modern sociological theory, New York, The Free Press

 

POPENOE, David (1995), Sociology, New Jersey, Prentice-Hall (1ª edição em 1971)

 

POULANTZAS, Nicos (1973), “On Social Classes”, em SCOTT, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

PRITCHARD, Mary, MYERS, Barbara e CASSIDY, Deborah (1989), “Factors associated with adolescent saving and spending patterns”, Adolescence, vol. XXIV nº 95, Outono, pp. 711-723

 

PRONOVOST, Gilles (2000), “The collapse of the leisure society? New challenges for the sociology of leisure”, in The International Handbook of Sociology, org. de Stella R. Quah e Arnaud Sales, London, Sage

 

RAYMORE, Leslie e outros (1999), “Leisure behavior pattern stability during the transition from adolescence to young adulthood”, Journal of Youth and Adolescence, vol. 28, nº 1

 

REDMOND, William H. (2001), “Exploring limits to material desire: the influence of preferences vs. plans or consumption spending”, Journal of Economic Issues, 2001, volume 35, Issue 3, p. 575

 

REIS, José e outros (1999), “A diferenciação das economias: visões dos últimos 30 anos”, Revista Crítica de Ciências Sociais, nº 52/53, Novembro de 1998/Fevereiro de 1999

 

RETO, Luís, (1992), “O consumidor na mudança do século: tendências”, Revista Portuguesa de Gestão, ed. Departamento de Gestão ISCTE, dir. ed. Gomes Cardoso, v. 1, nº 3-4, pp. 39-42

 

RIBEIRO, Raquel (2002), Expectativas Socioprofissionais e Consumos Juvenis: opções de investimento e de fruição no processo psicossocial da compra de habitação, ISCSP, ed. autora

 

RIESMAN, David (1993), Abundance for what, Transaction Publishers, New Jersey (1ª edição de 1964, Doubleday & Company)

 

RIGGINS, Stephen Harold (1994), The socialness of things: essays on the socio-semiotics of things Mouton de Gruyter, Berlin

 

RITZER, George (1993), The MacDonaldization of Society, Thousand Oaks, Pine Forge Press, Sage

 

ROBERT, K. e outros (1985) “Youth Unemployment: an old problem or a new lifestyle?”, in K. Thompson (ed.), Work, Employment and Unemployment: perspectives on work and society, Milton Keynes, pp. 238-246

 

ROBERTS, Keneth e PARSELL, Glennys (1990) “Culturas da juventude, transformação social e a transição para a vida adulta na Grã-Bretanha”, Análise Social, vol. XXV, nºs 105-106, Lisboa

 

ROCHEFORT, Robert (1995), La societé des consommateurs, Odile Jacob

 

ROCHER, Guy (1971), Sociologia Geral, Lisboa, Editorial Presença

 

ROJEK, Chris (2006), “Leisure and Tourism”, editado por CALHOUN, ROJEK e TURNER (2006), The SAGE Handbook of Sociology, London, Sage

 

ROSE, Fred (1997), “Toward a class-cultural theory of social movements: reinterpreting new social movements”, Sociological Forum, vol. 12, nº 3, pp. 461-494

 

, Alfredo Jorge de (1998), A Televisão e os Meios de Comunicação de Massa: Globalização e Sociedade, ed. autor, Lisboa, Universidade Moderna

 

SARGENT (1978), “Rational expectations, econometric exogeneity and consumption”, The Journal of Political Economy, Vol. 86, No. 4., pp. 673-700

 

SAUSSURE, Ferdinand de (1977), Curso de Linguística Geral, Lisboa, D. Quixote

 

SAVAGE, Mike (1992), Property, bureaucracy and culture: middle-class formation in contemporary Britain, London, Routledge

 

SAVAGE, Mike (2006), “Class and Stratification”, editado por CALHOUN, ROJEK e TURNER (2006), The SAGE Handbook of Sociology, London, Sage

 

SAUNDERS, Peter (1990), Social Class and Stratification, London, Routledge

 

SCHMIDT, Maria Luísa (1989), “Dinheiro e bens materiais”, Juventude Portuguesa – Situações, Problemas e Aspirações, vol.VII, Lisboa, Instituto da Juventude/ Instituto de Ciências Sociais

 

SCHMIDT, Maria Luísa e MOURA E SILVA, Anabela (199?), Estratégias e eficácias da publicidade no público consumidor, Lisboa,  ICS

 

SCHMIDT, Maria Luísa (1989), O discurso publicitário e a construção da juventude como categoria social, Lisboa, Instituto de Ciências Sociais

 

SCHMIDT, Maria Luísa (1990), “Jovens: família, dinheiro, autonomia”, Análise Social, volume XXV, nºs 105-106, Lisboa

 

SCHMIDT, Maria Luísa (1993), Procura e oferta cultural e os jovens, Lisboa, Instituto Português da Juventude/ Instituto de Ciências Sociais

 

SCHUMPETER, Joseph A. (1961), “The fundamentals of economic development”, Theories of Society – foundations of modern sociological theory, editado por PARSONS, Talcott, e outros, New York, The Free Press

 

SCOTT, John, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

SCOTT, Robert H. (2007), “Credit card use and abuse: A Veblenian Analysis”, Journal of Economic Issues, Lincoln, volume 14, Issue 2, pp.567-575

 

SEBASTIÃO, João (2006), Democratização do ensino, desigualdades sociais e trajectórias escolares, ed. autor, ISCTE, Lisboa

 

SHWALBE, Michael, e outros (2000), “Generic Processes in the reproduction of inequality: an interactionis analysis”, Social Forces, vol. 79, nº 2, Dec 2000, pp. 419-452

 

SHANAHAN, Michael (2000), “Pathways to adulthood in changing societies: variability and Mechanisms in Life Course Perspective”, Annual Review of Sociology, nº 26, pp. 667-692

 

SHIELDS, Rob (1992), Lifestyle Shopping, London, Routledge

 

SIMÕES, José Alberto (1997), A televisão, os jovens e as culturas juvenis: entre práticas de lazer e representações sociais, Lisboa, FCSH – UNL, ed. autor

 

SIMPSON, Ida Harper (1989), “The sociology of work: where have the workers gone?”, Social Forces, vol. 67, nº 3, pp. 563-581

 

SILVA, Carlos Pereira da (2001), Os jovens, o dinheiro e o crédito, Instituto do Consumidor, Lisboa

 

SILVA, Cristina (1995), Jovens, percursos e aspirações escolares e profissionais, Lisboa, ISCTE, ed. autora

 

SILVA, Maria Manuela Machado da (1986), A candidatura ao ensino superior: o suporte normativo e as suas consequências, ISCSP, Lisboa

 

SLATER, Don (1997), Consumer Culture and Modernity, London, Polity Press

 

SLATER, Don (2006), “The Sociology of Consumption and Lifestyle”, editado por CALHOUN, ROJEK e TURNER (2006), The SAGE Handbook of Sociology, London, Sage

 

SLOMCZYNSKI, K. e KRAUZE, T. (1987), “Cross-national similarity in social mobility patterns: a direct test to the Featherman-Jones-Hauser hypothesis”, American Sociological Review, vol. 52, nº 5, pp. 598-611

 

SMART, Barry (1993), Postmodernity, London, Routledge

 

SPILERMAN, Seymour (2000), “Wealth and Stratification Processes”, Annual Review of Sociology, 26, pp. 497-524

 

SOROKIN, Pitirim (1961), “Social Stratification”, Theories of Society – foundations of modern sociological theory, editado por PARSONS, Talcott, e outros, New York, The Free Press

 

SOUSA, Maria Isabel (1995) , O consumo dos filmes e os filmes de consumo, Lisboa, FCSH-UNL, ed. autora

 

STANTON, William (1981), Fundamentals of Marketing, Mc Graw-Hill 

 

STEARNS, Peter N. (1979), “The Middle Class: toward a precise definition”, Comparative Studies in Society and History, vol. 21, nº 3, Jul 1979, pp. 377-396

 

SZENT-GYÖRGY, Kathryn (1993), “Embourgeoisement and the cultural capital variable: rural enterprise and concepts of prestige in northeastern Hungary”, Man, vol. 28, nº 3, pp. 515-532

 

THOMAS, William I. (1961), “The four wishes and the definition of the situation”, Theories of Society – foundations of modern sociological theory, editado por PARSONS, Talcott, e outros, New York, The Free Press

 

THYE, Shane R. (2000), “A Status Value Theory of Power in Exchange Relations”, The American Sociological Review, vol. 65, nº 3, pp. 407-432

 

TOURAINE, Alain (1971), The post-industrial society, New York, Random House

 

TREIMAN, Donald J. e GANZEBOOM, Harry B. G. (2000), “The fourth generation of comparative stratification research” in The International Handbook of Sociology, org. de Stella R. Quah e Arnaud Sales, London, Sage

 

TREIMAN, Donald J. e GANZEBOOM, Harry B. G. e ULTEE, Wout (1991), “Comparative intergerational stratificaction research”, Annual Review of Sociology, número 17, pp. 277-302

 

TRIGG, Andrew B. (2001), “Veblen, Bourdieu and conspicuous consumption”, Journal of Economic Issues, Lincoln, vol. 35, Issue 1, pp. 99-116

 

TOMLINSON, Alan (ed.) (1990), Consumption, identity and style: marketing, meanings and the packing of pleasure, London, Routledge

 

TUMIN, Melvin (1953), “Some Principles of Stratification: a critical analysis”, em SCOTT, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

URRY, John (1973), “Towards a structural theory of the middle class”, em SCOTT, John, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

VALA, Jorge e MONTEIRO, Maria Benedicta (coord.) (1993), Psicologia Social, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian

 

VEBLEN, Thorstein (1965), A Teoria da Classe Ociosa, S. Paulo, Livraria Pioneira Editora (1ª edição, no original, de 1904, The Viking Press)

 

VIEIRA, Maria Manuel (org.) (2007), Escola, Jovens e Media, Lisboa, ICS

 

VOSS, Thomas e ABRAHAM, Martin (2000), “Rational choice theory in sociology: a survey”, in The International Handbook of Sociology, org. de Stella R. Quah e Arnaud Sales, London, Sage

 

YOUNG, R. (1996), “Some Psychological aspects of reduced consumption behavior”, Environment and Behavior, vol. 28 nº 3, Maio 1996, pp. 358 – 409

 

WALLACE, Claire e KOVACHEVA, Sijka (1996), “Youth cultures and consumption in Eastern and Western Europe”, Youth and Society Journal, pp. 189-214

 

WARDE, Alan (1994), “Consumption, identity-formation and uncertainty”, Sociology: the Journal of the British Sociological Association, Solihull, volume 28, Issue 4, pp. 877-899

 

WARNER, Lloyd e outros (1963), Yankee City, New Haven and London, Yale University Press

 

WARREN, Mark (1990), “Ideology and the self”, Theory and Society, vol. 19, nº 5, pp. 599-634

 

WATERS, Malcom (1991), “Collapse and convergence in class theory: the return of the social in the analysis of stratification arrangements”, Theory and Society, vol. 20, nº 2, Apr 1991, pp. 141-172

 

WEBER, Max (1961), “The Market”, Theories of Society – foundations of modern sociological theory, editado por PARSONS, Talcott, e outros, New York, The Free Press

 

WEBER, Max (1961), “The principal modes of capitalistic orientation”, Theories of Society – foundations of modern sociological theory, editado por PARSONS, Talcott, e outros, New York, The Free Press

 

WEBER, Max (1961), “Social Stratification and Class Structure”, Theories of Society – foundations of modern sociological theory, editado por PARSONS, Talcott, e outros, New York, The Free Press

 

WEBER, Max (1961), “Types of rationality”, Theories of Society – foundations of modern sociological theory, editado por PARSONS, Talcott, e outros, New York, The Free Press

 

WEBER, Max, (1963), Ensaios de Sociologia, Zahar Editores, Rio de Janeiro (original em inglês, de 1946: “From Max Weber: Essays in Sociology, Oxford University Press”) 

 

WESTERGAARD, John (1995), Who gets what? The hardening of class inequality I the late twentieth century, Polity Press, Cambridge

 

WESTERN, Mark (1994), “Class Structure and intergenerational class mobility: a comparative analysis of nation and gender”, Social Forces, Chapel Hill, vol. 73, Issue 1, pp. 101-135

 

WILSKA, Terhi-Anna (2002), “Me – a consumer? Consumption, identities and lifestyles in today´s Finland”, Acta Sociologica, Oslo, volume 45, Issue 3, p. 195

 

WONG, Raymond Sin-Kwok (1992), “Vertical and nonvertical effects in class mobility: cross-national variations”, American Sociological Review, Junho, volume 57, pp. 396-410

 

WONG, Raymond Sin-Kwok (1990), “Understanding cross-national variation in occupational mobility”, American Sociological Review, Agosto, volume 55, pp. 560-573

 

WRIGHT, Erik Olin (1985), Classes, London, Verso

 

WRIGHT, Erik Olin (1980), “Varieties of marxist conceptions of class structure”, em SCOTT, John, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

WRIGHT, Erik Olin (1979), Class structure and income determination, New York, Academic Press

 

WRIGHT, Erik Olin (1976), “Class boundaries in advanced capitalist societies”, em SCOTT, John, ed. (1996), Class – critical concepts, London, Routledge

 

WYNNE, Derek (1998), Leisure, Lifestyle and the New Middle Class, London, Routledge

 

ZAFIROVSKY, Milan (2000), “The Rational Choice Generalization of Neoclassical Economics Reconsidered: Any Theoretical Legitimation for Economic Imperialism?”, Sociological Theory, vol. 18, nº 3, pp.448-471

 

ZUKIN, Sharon e MAGUIRE, Jennifer S. (2004), “Consumers and Consumption”, Annual Review of Sociology, Palo Alto, vol. 30, pp. 173

Subscreva a nossa newsletter

Marketing Sensorial

Invoca o poder de todos os sentidos (tacto, visão, audição, olfacto, paladar) que os negócios podem despertar e estimular (através da beleza da decoração, do aroma agradável em loja, da textura dos produtos em exposição, de uma degustação cuidada, da melodia da música no local ou em suportes online) para agradar aos seus consumidores e clientes e levá-los, assim, à compra. Se já ouviu falar na importância do “ambiente em loja”, saiba que este assenta num bom Marketing Sensorial e faz toda a diferença.

Análise SWOT

As melhores decisões são tomadas quando sabemos todos os factos – sobre nós e sobre os outros. SWOT é um acrónimo curto que representa uma grande quantidade de informação que vai ser-lhe muito útil: as suas Forças (Strengths) e Fraquezas (Weaknesses), bem como as Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats) que tem de enfrentar no ambiente que o rodeia.

Reuniões

Quando a prospecção corre de feição, o resultado desejado é a marcação das primeiras reuniões com os potenciais clientes. E há muitos cuidados a ter para preparar estas reuniões: como começar a conversa, o que dizer sobre nós, com que vestuário e aparência pessoal, em que situação (presencial, telefónica, por vídeo), que conteúdos informativos mostrar, que argumentos ter em carteira, como fazer a gestão da conversa e como cativar a outra parte até ao momento que interessa: o primeiro pedido de proposta. Deixe estes detalhes com quem sabe e gosta: nós!

Apresentações

Já sabe que não há uma segunda oportunidade de causar uma boa primeira impressão. Resumir em poucas palavras, imagens, sons e vídeos a excelência da sua proposta é uma mais-valia. Uma boa Apresentação Digital vai transmitir a quem a vir uma imagem de profissionalismo e criatividade que torna o seu negócio apelativo e memorável.

Prospecção

Quais poderão ser os seus futuros clientes? A prospecção assenta numa análise do mercado e da concorrência para listar nomes de empresas, cargos e contactos de pessoas concretas – que serão abordadas uma-a-uma, seja presencialmente, através de contactos comuns, por email, telefone, nas redes sociais online ou através de outras plataformas. Nessa abordagem, procura-se compreender necessidades por atender e oferecer soluções à medida. É difícil, é demorado, exige diplomacia, tacto e resistência – mas a boa notícia é que podemos fazê-lo por si.

Networking

A arte de conhecer pessoas relevantes para o seu negócio pede mais do que uma personalidade extrovertida. É preciso sentido de missão, uma pesquisa cuidadosa e os argumentos certos para identificar os melhores interlocutores. Este é o primeiro passo do caminho para fechar vendas: ter uma boa rede de contactos – algo que cultivamos constantemente.

Plano de Negócio

Não se parte para uma viagem sem uma rota em mente; por isso, não se começa um negócio sem um Plano de Negócio. Neste Plano apresentamos os cálculos de todos os custos envolvidos e fazemos uma estimativa das receitas, com prazos e prioridades associados ao seu negócio, para saber quanto e quando vai ganhar com as escolhas que fizer.

Fixação de Objectivos

Para orientar as decisões, é fundamental a formulação explícita e quantificada dos objectivos, para que se possa aferir, ao longo do tempo, se estão a ser atingidos, que desvios existem e como podem ser corrigidos. Dos tipos de objectivos de Marketing mais comuns, temos: objectivos quantitativos (volume de vendas, valor de vendas, número de consumidores e/ou clientes, quota de mercado, rentabilidade) e objectivos qualitativos (imagem de marca, satisfação dos clientes, reputação, serviço).

Posição Competitiva

Como é que a sua empresa vai responder às decisões dos concorrentes? Vai tentar apresentar um produto mais barato? Vai apostar num serviço de maior qualidade? Vai oferecer brindes, ou vai investir fortemente em publicidade?
Tudo isto depende da Posição Competitiva da sua empresa. Juntos, vamos defini-la para que o seu negócio ganhe vantagem face aos concorrentes.

Storytelling

Vamos supor que a sua empresa surgiu ao fim de mais de 20 anos de trabalho intenso na área. Vamos supor que, antes de começar a trabalhar com clientes, a sua preocupação foi aprender o máximo possível com os melhores do ramo, acumulando uma série de conhecimentos e experiências que fazem de si uma referência na área. Com muitas aventuras pelo meio! Não acha que o cliente poderá ter interesse em saber disso? Partilharmos a sua história, da forma certa ajuda criar uma conexão com os seus clientes, aproximando-os de si e – por acréscimo – dos seus produtos.

Estudo do Consumidor

Por consumo, entende-se o acto de apropriação e utilização (geralmente de carácter aquisitivo, implicando uma troca) de bens materiais ou serviços, por indivíduos ou organizações, com vista à satisfação de necessidades ou desejos. Chamamos “consumidor” ao indivíduo particular ou ao agregado familiar – que, na gíria profissional, constituem o “mercado B2C (business-to-consumer”). O estudo do consumidor é um micro-cosmos dentro do Estudo do Mercado, porque, diferentemente das organizações, os particulares compram de forma mais emotiva, exigindo uma atenção aprofundada às suas crenças, atitudes, valores, motivações e comportamentos – que podemos investigar com técnicas de pesquisa quanti e/ou qualitativas.

Estudo de Mercado

Quando falamos em “saber se há mercado para” preocupamo-nos com: quantos são, ou podem vir a ser, os indivíduos ou organizações que constituem a procura? Onde estão e como se caracterizam? Enquadram-se nos nossos interesses? Têm, por sua vez, interesse naquilo que queremos oferecer-lhes? Conhecem e utilizam os nossos concorrentes? Se sim, quais e que opinião têm deles, em comparação connosco? Que outros factores macro e microambientais afectam a sua procura? É a estas perguntas que o Estudo do Mercado procurará dar resposta.

Portfólio

Já fez trabalhos relevantes para o seu negócio, que demonstram a sua perícia e conhecimento da área? Então podemos ajudá-lo a compilá-los e expô-los – são uma óptima forma de divulgar o seu trabalho e conquistar novos clientes.

Marketing-Mix

Trata-se, sucintamente, do conjunto de decisões em torno dos chamados 4 P clássicos do Marketing: Produto, Preço, Praça (Distribuição) e Promoção (Comunicação) + os 3 P do Marketing de Serviços: Pessoas, Processos e Evidências Físicas. Em conjunto, estas variáveis vão ajudar a cumprir os seus objectivos, satisfazendo os seus clientes.

Plano de Marketing

Tomar decisões “no calor do momento” pode resultar para pilotos de Fórmula 1, mas não tanto para um negócio. Todas as actividades de marketing da sua empresa vão constar de um rigoroso Plano de Marketing, com prazos e orçamentos por objetivo e resultados esperados por acção, feito a pensar no melhor para o seu negócio.

Proposta USP

O que há no seu negócio que o torna diferente dos demais? Porque deve um cliente escolhê-lo a si em vez de optar por um concorrente? Vamos trabalhar consigo para descobrir o que torna o seu negócio único, e garantir que não passa despercebido. A isto chamamos USP (unique selling proposition, ou proposta única de valor).

Negociação

Em qualquer relação de troca de valor, todas as partes devem ficar a ganhar. Com uma boa negociação, todas as partes sentem que ficaram a ganhar. Feita por nós, a negociação irá garantir que o processo de troca de valor com a outra parte continuará a salvaguardar os interesses e objectivos do seu negócio…e ainda deixar a outra parte contente com isso.

Copywriting

Já alguma vez leu a descrição de um produto e ficou a achá-la maçuda, pouco apelativa, e até incorrecta em termos de português? Pois é, faltou um bom copywriter. O copywriting consiste num conjunto de técnicas usadas para escrever textos persuasivos para marketing e vendas. A ideia é que o consumidor leia conteúdos que o façam querer tomar uma acção especifica, como pesquisar sobre o seu produto ou registar-se para receber uma newsletter.

E-commerce

Na era em que a venda online é indispensável e integra a experiência “omnicanal”, ajudamos a escolher entre as diversas soluções, a ser encontrado nas pesquisas dos clientes, a canalizar tráfego e visitas para os locais pretendidos e a optimizar a experiência do cliente nas suas plataformas digitais – para que a compra seja memorável e se repita por muitos, longos e bons!

Blog

Trata-se de uma plataforma inspirada nos antigos diários, em que pode publicar informação mais detalhada, vídeos, imagens e links relacionados com o seu negócio, que vão tornar a sua empresa mais humana e aumentar as visualizações do seu website.

Trade Marketing

Vender bem não é só ter o melhor produto. Fisicamente ou online, os pontos de contacto com os consumidores devem ser profissionais. A sua equipa está preparada para atender os seus clientes? Sabe sorrir, escutar, falar de forma cortês e persuasiva? Tem argumentos prontos e eficazes? A sua loja é bonita, apelativa para os consumidores? A relação com os fornecedores, parceiros e distribuidores funciona? Estamos aqui para garantir que sim.

Branding

Uma marca forte e diferenciadora é o que lhe permite ter clientes fiéis, dispostos a pagar mais do que a média. Quanto mais o cliente souber associar o seu negócio a palavras, imagens, símbolos e sons que o cativem, mais se sentirá envolvido com a sua marca. Mas não pense que uma boa marca se constrói facilmente – criar uma marca tem muito que se lhe diga, e nós sabemos bem o que dizer.

CRM

Pense na sua relação com os clientes como qualquer outra relação que mantém com uma pessoa. Se essa pessoa sentir que não é importante para si, a relação arrisca-se a acabar. O CRM consiste numa estratégia que vai ajudar a conhecer, entender e antecipar as necessidades dos seus clientes, para fidelizá-los e gerar mais oportunidades de lucro – alimentando a relação. A personalização do atendimento e da comunicação é fulcral para o sucesso destes objectivos, e acontece através de um relacionamento a médio e longo prazo com o consumidor ou cliente.

Redes Sociais

Além de poder alcançar novos clientes, as redes sociais permitem que os clientes que já tem sigam o seu negócio, ficando a par de quaisquer novidades que deseje partilhar com eles: de promoções a eventos, passando por mudanças de horário ou lançamento de novos produtos. Mas têm os seus segredos! Vá por nós.

Newsletter

Para se manter na recordação e apreço dos seus contactos, é boa ideia enviar-lhes Newsletters, ou Boletins Informativos. Estes são publicações regulares com conteúdos atractivos, que detalham o que há de novo e o que está para vir no seu negócio. Se as newsletters são das ferramentas de comunicação mais eficazes em pequenos negócios, imagine em grandes.

SEO

Já alguma vez pesquisou por um negócio na Internet e teve dificuldade em encontrá-lo? É sinal de que o que procurava não estava optimizado para motores de busca. Não queremos que isso lhe aconteça! Os conteúdos e a estrutura do seu website serão criados para garantir a sua melhor posição nos resultados dos motores de busca – ajudando clientes que já o conhecem a encontrá-lo facilmente, e novos clientes a descobri-lo pela primeira vez.

Website

Hoje em dia, se quer saber algo sobre um dado negócio, o primeiro instinto é procurá-lo na Internet. Com o nosso apoio, sabe que terá um website à sua medida, que represente o seu negócio devidamente para quem o pesquise e que faça chegar os clientes aquilo que desejar transmitir-lhes.

Conteúdos

Nem só de produto vive o consumidor. Prova disso é haver tantos fãs a declarar publicamente o seu amor a marcas. Ora, não há valor emocional para o consumidor ou cliente sem conteúdos – sobre pessoas, eventos, experiências, ou simplesmente informações relevantes. Os conteúdos de qualidade são originais, dinâmicos e partilháveis. Embora possam ser diferentes conforme os alvos a atingir, as mensagens têm de ser sempre coerentes com o posicionamento da marca – algo que nós garantiremos.

Atendimento e Imagem

O profissionalismo no atendimento ao cliente é essencial, mas ninguém nasce ensinado. O nosso trabalho vai permitir-lhe a definição clara de objetivos, o estabelecimento de procedimentos para que as suas equipas lidem com as situações e a selecção, formação e motivação dos seus comerciais. Nem todos os clientes vão ser simpáticos e afáveis; alguns não estão para conversas e outros gostam de “reclamar”. Um profissional de atendimento ao cliente treinado por nós saberá como apelar aos primeiros e como acalmar os segundos.

Relações Públicas

Um diálogo tem dois sentidos. Escutar o que clientes, órgãos de comunicação, parceiros e poderes públicos e privados têm para dizer, compreendêlos, dar-lhes atenção e aceitar as suas recomendações pode abrilhantar a sua empresa e até reconquistar quem parecia perdido. Por isto, vamos garantir que as linhas de comunicação com os seus stakeholders nunca se fecham.

Publicidade

É a comunicação paga, nos media, no âmbito de uma actividade comercial, industrial, artesanal ou liberal, com o objectivo de promover bens, serviços, ideias, princípios, iniciativas ou instituições. A criatividade é nossa, os louros são seus.

Design

Um visual criativo e apelativo torna qualquer mensagem mais eficaz. Tudo comunica, portanto nunca descuremos o factor estético: no escritório, na loja, no logotipo, nas brochuras e flyers, no website, nos produtos, nas embalagens… e nos sorrisos dos que gostam de ver tudo isto.

Vídeo

Há momentos, frases e testemunhos que só um vídeo consegue traduzir. É mais credível, próximo e eficaz do que quase tudo. Connosco, pode contar para a redacção dos guiões, a gravação, produção, edição, processamento e reprodução de vídeos, que vão ajudar a mostrar aos outros tudo o que o seu negócio tem para contar.

Fotografia

Será muito mais fácil escolher um restaurante com fotografias do espaço e da comida, certo? E quanto mais atractivas as fotografias, maior a nossa vontade de experimentar. Com isso em mente, a nossa equipa vai captar em imagem os momentos únicos do seu negócio – com um toque de aperfeiçoamento digital, quando necessário.

Alvos e Posicionamento

Os alvos são os nossos compradores potenciais prioritários, bem definidos por critérios geográficos, demográficos, socioeconómicos e psico-comportamentais, entre outros. O posicionamento é o conjunto de traços principais e distintivos da imagem da organização e do produto, serviço e/ou marca, que permitem ao público identificá-lo, situá-lo e diferenciá-lo dos outros no mercado (por exemplo: o mais caro, o de melhor qualidade, o mais afável, etc.). Se só pudesse dizer uma coisa sobre a sua oferta ao seu público-alvo, o que seria? Nós saberemos ajudar nesta escolha!